Conheça 8 estratégias para alcançar a recolocação profissional!

Tempo de leitura: 18 minutos

O momento da recolocação profissional pode causar medo, insegurança e dúvidas em muitas pessoas. Para diminuir toda a ansiedade que ele provoca, é preciso encará-lo como uma oportunidade de melhorar ou, até mesmo, mudar de vida, e de buscar novas conquistas e amadurecer profissionalmente.

Essa é a hora de parar e repensar toda sua vida pessoal e profissional, e estabelecer novos objetivos para ela. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, não é o momento para descansar e “tirar férias”, mas, sim, de muito planejamento e dedicação. Procurar um emprego dá trabalho.

Preparar um bom currículo, pesquisar o mercado de trabalho e aproveitar o tempo para fazer cursos de qualificação serão algumas das suas ocupações durante esse período. Também é importante ter certeza de que você terá todos os seus direitos trabalhistas respeitados no momento da demissão.

Neste post, vamos mostrar o que leva uma pessoa a querer ou precisar de uma recolocação no mercado de trabalho. Além disso, detalharemos 8 estratégias que lhe ajudarão a percorrer esse caminho. Você não pode deixar de ler!

Quais são as causas da recolocação profissional?

Antes de irmos para as dicas práticas, é interessante que você entenda quais são as principais causas da recolocação profissional. Acompanhe os itens abaixo.

Demissão inesperada

Diante da instabilidade econômica que o nosso país enfrenta, muitas empresas estão precisando diminuir seu quadro de funcionários. É natural que esses profissionais se sintam “traídos” por serem demitidos depois de anos de trabalho e dedicação a uma determinada empresa.

Apesar de ser um momento delicado, esteja ciente de que se trata apenas de uma fase pela qual todos nós passamos. Se você entrou no meio dos cortes, de nada adianta ficar se culpando ou procurando um culpado para o ocorrido. A autopiedade não ajudará em nada.

Claro que é duro passar por essa situação. Inclusive, ela pode fazer com que você entre em depressão. Nesse caso, as coisas ficarão ainda mais complicadas. Afinal, como ter motivação para procurar um novo emprego se falta acreditar em você e na sua capacidade?

Por outro lado, uma demissão inesperada também pode ser a ocasião certa para você sair da sua zona de conforto, procurar por novos desafios e, quem sabe, conseguir até um emprego bem melhor que o anterior. Conhecer novas pessoas, novos lugares ou mesmo novidades em sua área de trabalho que você ainda não havia explorado.

Insatisfação com o trabalho

Esse é mais um motivo que leva um profissional a buscar outro emprego. Muitas vezes, o ambiente de trabalho é bom e até mesmo o salário agrada. Porém, a empresa não oferece possibilidade de crescimento na carreira, e o funcionário fica estagnado, fadado a fazer a mesma coisa por anos e anos, sem perspectiva de subir de cargo.

Outras vezes, ele até gosta do que faz. No entanto, a jornada de trabalho é exaustiva, ou o salário e os benefícios não são atraentes como em outras empresas. Também é possível que, simplesmente, queira procurar um local de trabalho que seja mais próximo de onde ele mora e, assim, diminuir o tempo gasto no transporte.

Falta de reconhecimento

Existe, ainda, a possível falta de reconhecimento por parte dos seus superiores que vão, aos poucos, desmotivando qualquer profissional. Esse desinteresse pelo trabalho pode levar a casos de insubordinação e até demissão por justa causa.

Só para lembrar que, em casos de demissão por justa causa, o trabalhador não tem alguns direitos rescisórios como aviso prévioseguro-desemprego e multa do FGTS. Portanto, preste atenção! Se você não está se sentindo feliz com seu emprego, comece a procurar por outro.

Diante da crise, algumas empresas oferecem os planos de demissão voluntária que podem ser bastante atraentes. Entretanto, não aja por impulso! Pense muito bem antes de aceitar esse tipo de proposta.

Como alcançar a recolocação profissional?

Seja qual for a situação que levou o profissional a procurar ou precisar de uma recolocação profissional, existem algumas estratégias que podem ajudar a conseguir, de forma mais rápida, um novo emprego. Veja!

1. Tenha um planejamento

Se a sua demissão foi inesperada, um bom planejamento ajudará até a chegada do novo trabalho. Você terá que utilizar o dinheiro que receberá na rescisão para suprir suas necessidades e poderá também contar, conforme o caso, com as parcelas do seguro-desemprego. Relacione alguns itens supérfluos e corte-os por algum tempo.

Infelizmente, nessa hora tão delicada, algumas pessoas são surpreendidas com a descoberta de que a empresa não fez o depósito do FGTS e acabam tendo ainda mais dor de cabeça.

Se você está considerando a possibilidade de pedir demissão, não espere para começar a procurar outro emprego. O ideal é ir atrás enquanto ainda está trabalhando, a fim de evitar dificuldades financeiras. Aconselha-se que você guarde uma quantia equivalente a aproximadamente seis dos seus salários para, então, pedir a demissão.

E o planejamento não é só o financeiro! Nada de preparar sua carta de demissão sem ter em mente suas expectativas e objetivos. Eles são essenciais para que você tenha um direcionamento nessa etapa de procura por recolocação profissional.

Será necessário estabelecer metas de curto, médio e longo prazos para evitar que você acabe aceitando “qualquer” vaga de trabalho, só por causa da preocupação de ficar sem emprego.

2. Pratique o autoconhecimento

Para que você seja capaz de definir seus objetivos futuros, é fundamental que reconheça seus pontos fracos e as habilidades e competências que você tem.

Pense em tudo o que você passou e aprendeu ao longo dos anos e faça uma lista das carreiras que você quer ou tem qualificação para seguir. Sentir-se confiante ajudará a manter a motivação e o foco na procura por um novo trabalho.

Reconheça suas qualidades e defeitos tanto pessoais quanto profissionais. Quando você se conhece, fica mais fácil de se preparar para conseguir um novo emprego. Anote as coisas das quais você não gostava em seu antigo emprego (ou atual) e o que espera encontrar na nova empresa.

Entre os pontos a serem considerados, podemos destacar os seguintes:

  • salário mais alto;
  • vale-transporte;
  • vale-refeição;
  • assistência médica e odontológica;
  • moradia;
  • possibilidade de ascensão de cargos.

Uma vez que você já tiver certeza do que procura, é hora de partir para a ação e se qualificar para alcançar seu objetivo.

3. Busque qualificações

O mercado de trabalho está, cada vez mais, valorizando profissionais com boa qualificação acadêmica e outras habilidades que venham colaborar com a missão da empresa. Por isso, ao fazer seu planejamento financeiro, não se esqueça de incluir investimentos necessários para sua qualificação ou atualização.

Algumas sugestões para ter um diferencial relevante em comparação a outros candidatos são:

  • cursos de pós-graduação, mestrado ou MBA — proporcionam um conhecimento mais profundo a nível superior na área escolhida;
  • cursos técnicos ou profissionalizantes — oferecem a especialização em uma área que pode ser a que você já atua, ou na área que deseja atuar;
  • coachings de carreira —  ajudarão no seu autoconhecimento e no direcionamento dos seus objetivos;
  • cursos extracurriculares — agregam ao currículo (cursos de idiomas, de informática e de oratória, por exemplo).

Se você já fala inglês, considere aprender uma nova língua, pois existem muitos profissionais que dominam esse idioma. Considere aprender alemão ou mandarim, que são bastante procurados no mercado de trabalho, mas é difícil encontrar profissionais fluentes nesses idiomas.

Quanto ao curso de informática, não basta saber usar o Word, o Excel e fazer apresentações de PowerPoint. Existem muitos aplicativos e softwares que ajudam a organizar a gestão de tempo e de finanças, projetos, e a criar estratégias de marketing. Pense no que poderá ser útil em sua futura carreira.

Bônus: desenvolva outras habilidades

O mercado de trabalho também tem buscado por profissionais com habilidade de comunicação e inteligência emocional. Saber se comunicar bem tem sido um quesito fundamental para quem procura um cargo mais elevado. Quanto mais alto o cargo, maior a probabilidade de fazer reuniões para expor projetos ou motivar equipes.

Já um profissional com inteligência emocional é aquele que tem a capacidade de lidar bem com suas emoções e com o estresse no trabalho. Ele também sabe se colocar no lugar dos seus colaboradores, compreender suas dificuldades e como motivá-los — além de, geralmente, ser um bom líder.

O importante é não parar no tempo. Ao fazer cursos e frequentar palestras durante esse período, a futura empresa em for trabalhar vai perceber sua dedicação e que você se preocupa com a sua formação. Para falar a verdade, um bom profissional está sempre procurando estudar e se atualizar, mesmo quando está empregado.

4. Invista no networking

O networking é aquela rede de contatos que construímos no decorrer de nossas carreiras e que podem fazer toda a diferença na hora de procurar por uma recolocação profissional. Falar com as pessoas certas pode ser um bom começo.

Algumas pessoas têm vergonha de dizer que estão desempregadas. No entanto, ao conversar sobre isso com as pessoas, você pode descobrir que elas têm um excelente contato para lhe indicar, ou sabem de alguma vaga de emprego bem interessante para você.

Mantenha contato com outros profissionais, esteja presente em eventos e palestras sobre a área do seu interesse. O LinkedIn é uma rede social utilizada principalmente por profissionais que querem expor suas habilidades e competências, e manter contato com outros profissionais da área.

Se você ainda não criou seu perfil nessa rede, pode estar perdendo uma excelente chance de descobrir novas oportunidades de trabalho.

5. Crie um ótimo currículo

Um currículo é seu cartão de visitas. Por isso, deve ser bem elaborado e trazer, além das informações pessoais e acadêmicas, os seus feitos mais relevantes e como eles ajudaram as empresas onde você trabalhou a conquistarem os seus objetivos.

Ele tem que se destacar dos demais. Um bom currículo fará com que o recrutador tenha interesse em chamar você para uma entrevista — na qual você o convencerá de que é a pessoa certa para aquela empresa.

A seguir, confira alguns conselhos que valem a pena você seguir.

Faça uma autoapresentação de qualidade

Você pode fazer uma breve autoapresentação, mas que seja discreta. A atenção não deve ser voltada para você, mas, sim, para o que você é capaz de fazer. Essa parte deve ser objetiva e deixar evidente quais são suas expectativas naquela empresa.

Enfatize o que realmente importa

O ideal é preparar vários currículos dando ênfase às habilidades e aos cursos de qualificação que estarão de acordo com cada vaga específica para a qual você está se candidatando. Deixe as informações menos relevantes em segundo plano.

Adapte-se aos modelos de seleção

Muitas empresas têm a prática de fazer uma seleção eletrônica em seu primeiro processo seletivo. Em vista disso, ao redigir seu perfil, utilize algumas palavras-chave que, com certeza, serão facilmente “lidas” nos processos eletrônicos.

Envie muitos currículos

Não economize na quantidade de currículos enviados. Cadastre-se em sites de empregos e envie o documento para o e-mail das empresas. Reveja os sites com frequência em busca de novos postos de trabalho.

Tenha currículos em papel

Mesmo na era digital, é indicado não ignorar o bom e velho currículo de papel. Algumas empresas ainda levam em consideração o fato de o profissional ter dedicado tempo e esforço para entregar o seu currículo “em mãos”.

Revise o documento atentamente

Por fim, mas não menos importante, faça uma revisão caprichada do seu currículo antes de enviá-lo, para que não contenha erros de português ou de digitação. Isso também influencia na impressão que você pretende causar.

6. Fique de olho no mercado

Não basta traçar o plano de carreira dos seus sonhos. Ele deve ser compatível com as ofertas do mercado de trabalho. É claro que o ideal é que você consiga tudo o que deseja, mas a sua área de interesse pode estar passando por uma crise. Então, pesquise.

Muita coisa tem mudado no mercado. Carreiras que eram bastante procuradas há alguns anos, já não são tão valorizadas assim hoje em dia. Durante a pesquisa você descobrirá carreiras que surgiram recentemente, e que você nem sequer sabia que elas existiam.

Por isso, na hora de fazer o planejamento, sugerimos que você considere várias possibilidades de cargos e empresas.

7. Prepare-se para o processo de seleção

Neste tópico, selecionamos algumas recomendações para que você se prepare bem para o processo de seleção. Vamos lá!

Pesquise sobre a empresa

Chegue para a entrevista conhecendo alguns pontos importantes sobre a empresa para a qual você pretende trabalhar. Por exemplo: valores, missão, história, prêmios que já recebeu, produtos e serviços. Isso causa uma boa impressão no entrevistador e demonstra que você tem interesse em trabalhar naquele local.

Preste atenção à vestimenta

É fundamental tomar cuidado com o modo de se vestir. Suas roupas precisam estar adequadas ao cargo que você pretende ocupar e ao perfil da empresa. No caso das mulheres, é interessante evitar os decotes e as saias muito curtas.

Planeje-se para não se atrasar

A fim de evitar atraso no dia da entrevista, pense no percurso, no tipo de transporte e em quanto tempo você levará para chegar até a empresa. Se achar necessário, faça uma simulação antes. Coloque no seu planejamento uns minutinhos a mais para ter uma folga caso pegue um pouco mais de trânsito no dia.

Estude em casa para dar boas respostas

Seu entrevistador fará muitas perguntas para conhecer melhor você e seu perfil profissional. Em casa, tente imaginar quais serão essas perguntas e elabore uma resposta para elas. Com certeza, ele perguntará sobre:

  • sua caminhada profissional;
  • suas conquistas e projetos;
  • suas colaborações para o sucesso das empresas pelas quais passou;
  • seu futuro, seus objetivos e expectativas em relação à empresa e seu novo trabalho.

Evite frases feitas como “vestir a camisa” ou “ser pau pra toda obra”. Elas são vazias e não transmitem o seu real valor para a empresa. Outras dicas relevantes são:

  • responda, de forma clara e objetiva, apenas o que for perguntado a você.
  • mantenha uma boa postura corporal;
  • preste atenção à linguagem utilizada;
  • não fale mal das empresas ou dos profissionais com os quais já trabalhou;

Muitos entrevistadores pedem para o candidato falar sobre suas qualidades e defeitos. Temos as qualidades “na ponta da língua”, mas nem sempre conseguimos falar sobre nossos defeitos. Por esse motivo, é bom treinar antes. Ao falar sobre eles, diga o que você faz para tentar melhorar.

Em caso de demissão no seu último emprego, não esconda. Fale sobre o assunto e explique quais foram as causas. Você não se encaixava mais nas necessidades da empresa? Precisava ser fluente em inglês e você não domina o idioma? De qualquer forma, diga o que você está fazendo para sanar essa falha — tem que ser verdade, viu?

Conheça o salário praticado no mercado

Pesquise antes o salário médio para aquele cargo, naquela região. Assim, quando o entrevistador perguntar sobre a sua pretensão salarial, você não responderá algo muito acima, ou muito abaixo do que o mercado está pagando. Não se esqueça de perguntar sobre os benefícios que a empresa oferece.

Demonstre interesse pelo resultado da entrevista

Ao final da entrevista, procure saber quais serão os próximos passos, se a empresa entrará em contato e em quanto tempo aproximadamente isso ocorrerá. Essa também é uma forma de demonstrar que você realmente deseja trabalhar naquela organização. A partir daí, o que resta é ter muita paciência e segurar a ansiedade pela resposta.

8. Trabalhe o marketing pessoal

O marketing pessoal é a arte de vender a sua imagem. Engloba a maneira como você se expressa e sua postura. Ele influencia na impressão que as pessoas têm de você, e elas passam a lhe enxergar de forma mais positiva.

Na hora de procurar um novo emprego você precisa se destacar dos outros. Para isso, é necessário que você divulgue seus feitos e conquistas, mas sem parecer prepotente ou que é superior (no sentido negativo da palavra).

É essencial transmitir confiança em você e na sua competência profissional, sua capacidade de aprender e compreender, sua maturidade, sua responsabilidade e sua habilidade de liderança.

Conheça algumas características de um bom marketing pessoal.

  • cuidados com sua aparência — saiba se vestir de acordo, sem transmitir falta de respeito ou desinteresse, ou então, superioridade;
  • habilidade de se comunicar — fale de forma clara, a fim de que todos entendam o que você quer transmitir, e ouça o que os outros têm a dizer;
  • criatividade e inovação — demonstre que você lida bem com mudanças e dê ideias inovadoras para o sucesso da empresa;
  • pró-atividade e liderança — diante de um problema, reúna alguns colegas de trabalho para que, juntos, encontrem uma solução para ele;
  • visibilidade — faça “propaganda” de seu trabalho (sem ser prepotente), em vez de esperar que, um dia, o reconhecimento apareça;
  • presença nas redes sociais — cuide da sua reputação, pois muitas empresas usam esses canais para conhecerem melhor seus candidatos;
  • empatia e humildade — saiba reconhecer suas falhas, se colocar no lugar do outro e compreender seus sentimentos e reações.

Como você pôde ver, o marketing pessoal terá grande influência na hora da entrevista e de outras estratégias citadas acima. Portanto, deve-se dar uma atenção especial a ele.

Aceitar um emprego temporário ou trabalhar como freelancer pode ser algo positivo desde que você continue com algum tempo livre para se dedicar à procura de um emprego efetivo. Um trabalho sem carteira assinada pode não ser a melhor opção, mas saiba que você não perde seus direitos trabalhistas só por não ter registro em carteira.

Ao passar por essa fase e, enfim, conseguir seu emprego, você passará por um período de experiência. É quando a empresa comprovará que o que foi dito no currículo e na entrevista é verdade, e que você é a pessoa certa. Será a recompensa pela sua sinceridade. Confie na sua capacidade, dedique-se e prove que você merece o cargo.

Apesar do primeiro “choque” com a notícia do desemprego, o momento de recolocação profissional não precisa ser marcado por estresse. É claro que a preocupação e a ansiedade aparecem, mas acredite no seu planejamento e na sua competência. Existem muitas vagas abertas no mercado de trabalho, e uma delas pode ser a sua!

Gostou deste post? Então assine a nossa newsletter para receber, diretamente em seu e-mail, artigos interessantes sobre a relação empregatícia e outras dicas trabalhistas.

Sobre Moura e Santana

Moura e Santana

Prestamos serviços exclusivamente ao trabalhador e contamos com equipe dedicada a obter as melhores indenizações trabalhistas. Atuamos com ênfase na defesa dos direitos dos Bancários, Vigilantes, Caminhoneiros, Fretistas e trabalhadores em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *