Afinal como lidar com a demissão: confira 4 ideias que vão ajudá-lo!

Tempo de leitura: 18 minutos

A demissão é algo que cada vez mais pessoas têm de lidar devido à crise econômica que o país passa desde 2014, . Ninguém está livre de perder o emprego, e quando isso acontece, só nos resta criar forças para enfrentar essa adversidade.

Não é tarefa fácil, mas o primeiro passo para superar essa situação é encarar o momento como uma oportunidade. Agora, você tem a chance de trilhar novos caminhos e ganhar ainda mais força para enfrentar as barreiras da vida.

Se você foi demitido e não sabe por onde começar, neste artigo vamos expor em detalhes 5 passos para lidar com a demissão. Boa leitura!

1. Entenda quais são os seus direitos na demissão

Após o término de um contrato, o empregado tem o direito de receber as verbas trabalhistas rescisórias. Atualmente, de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho — CLT, o vínculo empregatício só é realmente encerrado quando todos os direitos do empregado são quitados.

As verbas rescisórias que devem ser pagas dependem da modalidade da demissão. Sendo assim, vamos explicar cada uma delas.

Se a dispensa ocorrer por iniciativa do trabalhador, ele terá o direito de receber:

  • saldo de salário;
  • férias proporcionais;
  • férias vencidas com acréscimo de 1/3;
  • 13º salário proporcional.

Entretanto, se a demissão ocorrer por iniciativa do empregador e sem justa causa, o empregado terá direito às seguintes verbas:

  • saldo de salário;
  • férias proporcionais;
  • férias vencidas com acréscimo de 1/3;
  • 13º salário proporcional;
  • saque do FGTS;
  • multa do FGTS de 40%;
  • seguro-desemprego.

Quando o afastamento ocorre por justa causa, gera-se o direito a receber apenas:

  • férias vencidas;
  • saldo de salário.

Já na demissão por comum acordo, hipótese criada por meio da reforma trabalhista, na qual o contrato se encerra pela vontade de ambas as partes, o empregado terá direito a receber:

  • metade do aviso prévio, se for indenizado;
  • multa do FGTS de 20%;
  • até 80% do saldo do FGTS.

É importante o trabalhador ficar atento a modalidade da sua demissão para saber quais as verbas que devem pagas em conformidade com a lei, no momento da rescisão.

2. Verifique se a empresa cumpriu todas as obrigações trabalhistas

Para garantir que todos os direitos do trabalhador, ao ser demitido, sejam garantidos, o empregado deve se assegurar de que o cálculo da rescisão tenha sido feito da maneira correta. Além dos direitos já comentados, outras verbas (como as horas extras) devem ser adicionadas se o empregado fizer jus.

Nesse momento, o trabalhador pode buscar auxílio no sindicato da sua categoria. Após a reforma trabalhista, não há mais a necessidade da homologação dos cálculos pela associação, mas, se o empregado desejar, ainda pode obter orientações acerca dos seus direitos e de como lidar com a demissão, além de se informar sobre eventuais irregularidades que podem ter ocorrido.

Se você recebeu que a empresa não pagou tudo o que era devido somente depois da rescisão, ainda é possível ingressar com uma ação trabalhista judicial, requerendo os seus direitos.

Se o encerramento do contrato ocorrer no momento em que o empregado tem direito à estabilidade, ele também tem direito à reintegração no emprego. Existem situações específicas previstas em lei nas quais o funcionário não pode ser demitido sem justa causa, são elas:

  • gravidez e até cinco meses após o parto;
  • funcionário afastado por mais de 15 dias e recebe auxílio-doença acidentário pelo INSS, por conta de acidente de trabalho ou doença, até um ano após o término do auxílio;
  • empregado membro da “Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA”.

Outras hipóteses também podem ser dispostas por meio de acordo entre o sindicato dos trabalhadores e empregadores. Se o trabalhador for demitido sem justa causa, enquanto usufruir de alguma das condições citadas, ele pode pedir diretamente à empresa o seu retorno.

Mas, se o empregador se opuser, a reintegração ou a indenização em dinheiro podem ser solicitadas judicialmente.

Também é importante verificar se empresa realizou o depósito do FGTS corretamente durante todo o período. A consulta pode ser feita na Caixa Econômica Federal, com a Carteira de Trabalho – CTPS (ou o Cartão do Trabalhador) e o PIS.

Se os depósitos de 8% ao mês não tiverem sido feitos corretamente, basta procurar a empresa com os extratos em mãos e solicitar a correção. Caso o depósito ainda não seja feito,  a empresa deve ser denunciada ao Ministério do Trabalho e Emprego – MTE ou ao sindicato da categoria.

Além disso, é possível entrar com uma ação contra o empregador, requerendo a regulamentação do depósito do FGTS. Entretanto, esse pedido pode ser cumulado com outros na mesma reclamação trabalhista.

O empregado tem até 2 anos após a data da demissão para ingressar com uma ação judicial, com a possibilidade de solicitar as verbas correspondentes aos últimos 5 anos. Após esse período, não é possível requerer mais nada no Poder Judiciário. Portanto, o ideal é contratar um advogado o mais rápido que puder.

3. Trabalhe o seu lado emocional sobre a demissão

Trabalhar o lado emocional é fundamental para que nenhuma doença, como a depressão, seja desenvolvida no período após a demissão. Abaixo, separamos algumas dicas para lidar com essa situação da melhor forma possível.

3.1 Não tenha medo de buscar ajuda

Quando precisamos lidar com a demissão, é comum passar por diversos estágios emocionais, como ódio, decepção, tristeza, melancolia e, por fim, a aceitação. Se permita viver o luto, que pode durar períodos diferentes de acordo com cada um, mas saiba que o transtorno não é eterno e busque a recuperação. Se for necessário, procure pelo auxílio profissional de um psicólogo para ajudá-lo nessa fase.

Conte com um amigo para ouvir os seus desabafos e dividir com você a experiência que ele teve enquanto passou pelo mesmo período de desemprego, uma vez que a maioria das pessoas já precisou encarar esse momento. Busque utilizar as lições que as suas amizades aprenderam.

3.2 Organize-se financeiramente

Compreendemos que as contas — como luz, água, aluguel e condomínio — continuam chegando mês a mês, mesmo durante essa etapa. Por isso, ter planejamento financeiro é fundamental.

Minimize as despesas que puder após a demissão, utilizando as verbas rescisórias, o seguro-desemprego e o FGTS para as demais. Procure construir uma reserva financeira caso o período sem emprego seja prolongado para além do esperado.

Se a situação financeira apertar, não tenha vergonha de fazer os famosos “bicos”. Hoje em dia, existem empresas que proporcionam as mais diversas possibilidades de trabalho informal — como motorista, entregador ou manicure.

Além do mais, saiba que existe a chance de conseguir trabalhos com salários menores do que você ganhava no último emprego. Ao receber essas propostas, é importante não se desesperar, pois o mercado tende a oferecer salários maiores a profissionais já inseridos em alguma empresa.

3.3 Cuide da sua saúde

Procure não deixar a atividade física de lado, pois essa é uma ótima forma de lidar com a demissão. Afinal, você estará liberando energia e trabalhando o seu corpo, o que pode lhe ajudar a pensar e tomar decisões conscientemente.

Outros hábitos saudáveis podem auxiliar a manter o foco, como nutrir uma alimentação balanceada, ter noites de sono de qualidade e frequentar lugares ao ar livre, enfim, costumes que vão dar mais energia durante a busca por um novo emprego.

Sabemos que, enquanto estamos trabalhando, acabamos deixando de lado a nossa saúde durante o expediente corrido, e só visitamos o médico quando temos algum sintoma, apesar de não ser o ideal.

Portanto, aproveite esse momento para cuidar da sua saúde, faça uma checagem geral e coloque os seus exames em dia. Fazer isso é muito importante, afinal, quem não estiver com a saúde em dia, provavelmente não vai conseguir passar no exame admissional de um novo trabalho.

3.4 Ocupe o tempo ocioso

É importante buscar alternativas para lidar com a demissão e ocupar o tempo livre que agora você dispõe. Muitas vezes, nesse período, a pessoa não sabe como utilizar o tempo ocioso e passa a se ver como inútil. Para não se sentir frustrado, o melhor é aproveitar esse valioso momento oportuno para valer-se dos seus talentos.

Encare a demissão como uma fase temporária, que dá a possibilidade de explorar novos lugares e descobrir ocupações diferentes. Use a ocasião para refletir sobre o porquê da demissão ocorrida, verifique se algum erro partiu de você e por qual motivo te selecionaram para se desligar da empresa.

Lembre-se da justificativa que o seu empregador utilizou ao demiti-lo e procure melhorar nos pontos que foram levantados.

Sabemos que muitas vezes a demissão não ocorre por sua causa — a companhia pode estar passando por um momento financeiro difícil e precisa reduzir o quadro de funcionários, por exemplo. Você deve se preparar e saber que casos assim infelizmente podem acontecer. Por isso, é importante sempre se manter atualizado e por dentro do mercado de trabalho.

4. Trace novos objetivos profissionais

Defina se você pretende ou não seguir no mesmo ramo. Se você gostava da função que desempenhava no trabalho anterior, procure novas vagas no mesmo setor. Entretanto, se você não estava feliz no seu último cargo, aproveite a oportunidade para fazer uma reciclagem profissional, mudar de ares e seguir por um novo caminho.

Crie um plano de carreira

Imagine o lugar no qual queira estar profissionalmente em um período de 5 anos. A partir de suas conclusões, crie estratégias para chegar até lá Um bom método é escrever as suas metas em um papel, colocando-o em um local visível da sua casa. Assim, você se recordará dos seus objetivos profissionais cotidianamente.

Feito isso, você terá criado um plano de carreira, no qual é possível visualizar aquilo que é preciso fazer para se chegar onde deseja. Isso vai ajudar a manter a sua autoestima alta nos momentos de mal-estar após a demissão.

Invista na sua profissionalização

Independente do caminho que escolher seguir, busque se especializar ainda mais no ramo. Atualmente, diversos tipos de aperfeiçoamentos profissionais estão disponíveis.

Procure cursos que vão ajudar a lidar com a demissão e ingressar novamente no mercado de trabalho, como aulas de língua estrangeira, workshops sobre autoconhecimento e carreira, entre outros.

Use a internet como a sua aliada. É possível encontrar muito material online — gratuito ou pago — que pode auxiliar nesse desafio. Existem instituições com renome internacional que fornecem ferramentas e cursos.

Procure nos sites de busca dicas para entrevista de emprego, vídeos de capacitação e palestras. Utilize todo o material encontrado a seu favor. Entre cursos que completam o currículo, busque aprender coisas novas.

Se for possível, analise a possibilidade de fazer uma pós-graduação ou até mesmo um novo curso superior, se desejar mudar de ramo. Quem não procura se atualizar em sua área de atuação profissional acaba se tornando menos interessante para o mercado de trabalho, por mais que tenha vasta experiência.

5. Busque uma nova colocação profissional

Após o turbilhão de emoções iniciais, é hora de buscar novos caminhos e alcançar a recolocação no mercado de trabalho.

Elabore um bom currículo

Tenha um currículo atualizado e objetivo, com aparência enxuta e que demonstre objetividade. Deixe apenas as informações que são realmente relevantes, uma vez que dificilmente um “CV” que contenha muitas páginas vai chamar a atenção de uma empresa.

Essa é a sua porta de entrada para uma vaga. Por isso, deve estar impecável e ser de fácil compreensão. Depois de montá-lo, é importante distribuir nos meios adequados. Atualmente, a entrega de currículos online está até mais forte do que a presencial. Então, mantenha uma cópia em PDF para enviar por e-mail às empresas do seu interesse, além de se cadastre em sites de vagas de emprego.

Isso não quer dizer que a versão impressa perdeu completamente a sua importância. Ao convocarem para uma entrevista, sempre leve consigo um modelo impresso. Caso seja solicitado, você já estará preparado.

Se prepare para a entrevista de emprego

É interessante buscar recomendações sobre como agir em uma entrevista de emprego, pois existem alguns métodos que podem auxiliar nesse momento. Ser pontual com relação ao horário que a entrevista foi marcada também é importante. Vale a pena comparecer ao local com alguns minutos de antecedência.

Preste atenção nas pequenas coisas, como sentar de maneira adequada, não mexer no celular e usar as roupas condizentes com o ambiente, afinal um candidato que se apresentar de bermuda, chinelo e boné pode não ser visto com bons olhos pelos contratantes dependendo da área de atuação, mas é igualmente importante que o candidato não pareça que está vestindo uma “fantasia” que não condiz com o que ele realmente é, moderação nas vestimentas é a palavra-chave.

Tenha o comportamento adequado desde o momento em que chegar ao local, porque muitas vezes os seus gestos estão sendo observados até mesmo na recepção, antes mesmo de entrar na sala de entrevistas. Portanto, tenha sempre educação e cordialidade, mantendo sua postura profissional.

Também é fundamental sinceridade e sensatez, agindo de maneira espontânea e natural. Converse normalmente com o entrevistador, tente manter a calma e responda o que te perguntarem com objetividade.

Busque preparar e treinar a sua memória antes da entrevista, procure por testes e métodos que desempenhem esse papel, isso ajudará a chegar com melhor preparo.

Estude a empresa que você pretende entrar, visite o site do local e veja a história, informações sobre os sócios, o ramo em que atua, quem são os concorrentes, quais os desafios que ela enfrenta etc., pois a pergunta “por que você deseja trabalhar aqui?” costuma ser corriqueira.

Assim, se algo desse tipo ocorrer durante a entrevista, você saberá o que responder e ainda vai demonstrar interesse pelo local por ter pesquisado previamente. Prove que você não chegou até a entrevista à toa.

Prepare-se para perguntas bizarras e evite ficar sem graça nessa situação. Muitas vezes perguntas absurdas e que até parecem engraçadas são feitas durante a entrevista – como “o que você faria se achasse um pinguim no freezer?” – e apesar de se assemelharem com uma piada, não são, a maioria das vezes se trata de uma questão de raciocínio lógico.

Na pergunta apresentada acima, por exemplo, a resposta mais adequada seria procurar imediatamente o serviço de proteção animal.

Saiba falar sobre você de maneira adequada, se for preciso treine com antecedência o discurso que pretende fazer, conheça quais são os seus pontos positivos e negativos e os apresente com sinceridade. Não minta, pois o entrevistador é treinado para identificar esses deslizes e tem experiência no ramo.

Procure não falar mal das suas experiências profissionais anteriores, isso pode causar uma má impressão, pois além de não ser o objetivo da entrevista ainda é uma atitude pouco profissional. Demonstre que você soube lidar com a demissão de uma forma madura.

Se desejar fazer perguntas pertinentes ao entrevistador, não tenha medo. Não é obrigatório realizar essas indagações, mas se você tiver alguma dúvida que seja preciso esclarecer, pode o questionar, tal atitude é completamente normal e não costuma ser mal vista.

Atualmente as redes sociais dos candidatos muitas vezes são checadas. Procure manter a sua privacidade e tenha coerência nas mídias sociais, uma foto postada em um momento inapropriado ou colocações polêmicas podem ser determinantes para a sua exclusão do processo seletivo.

Cuide de sua aparência

Apesar de já citarmos anteriormente sobre vestimentas na entrevista de emprego, é interessante ressaltar a importância de cuidar da sua aparência em tempo integral e não apenas durante um momento específico. Nunca é possível saber quando uma oportunidade pode surgir, às vezes encontramos uma nova chance profissional em um momento inesperado e é sempre bom estar preparado nessas situações.

Realize networking

Construa uma rede de contatos, chamada networking, visto que é um bom método de divulgar o seu trabalho.

Se conecte com pessoas que atuem na sua área ou até mesmo em outro ramo profissional, pois assim você expande seus contatos e aumenta a chance de encontrar um novo emprego. Conte com o auxílio de outras pessoas para lidar com a demissão e se recolocar no mercado de trabalho.

Todo profissional deve fazer network, mesmo enquanto está empregado, pois construir uma rede é importante, mas a sua manutenção também é fundamental. Um bom networking proporciona vantagens para ambas às partes, por manter uma valiosa troca de informações entre si.

Demonstre o que você pode oferecer aos outros profissionais mostrando seus conhecimentos na área e se disponha a ajudá-los quando tiverem dúvidas sobre algum assunto que você domina.

Assim, eles farão o mesmo por você e ainda podem indicá-lo quando surgir alguma vaga na empresa em que trabalham. Com isso, você está se vendendo ao mercado de trabalho.

Também utilize a sua rede para solucionar as dúvidas que você possui, esteja disposto a sempre aprender coisas novas com os demais. Frequentar feiras, eventos e congressos promovem a oportunidade de conhecer novas pessoas que podem compor o seu networking.

Criar um perfil em redes sociais profissionais e mantê-lo atualizado também pode te ajudar a realizar essas conexões, especialmente se utilizar essa ferramenta para publicar artigos e informações relevantes.

Entretanto, não publique qualquer coisa apenas para ter visibilidade, é importante tomar cuidado para não chatear os seus contatos com informações inúteis.

Lembre-se que o networking se trata de uma troca, você recebe ajuda e também deve ajudar os demais quando puder, para que não configure em relacionamento por interesse. A ética é fundamental nessas relações. Tenha paciência, pois muitas vezes a recolocação no mercado de trabalho leva algum tempo.

Aprenda com essa fase

Para lidar com a demissão da melhor maneira, é importante ser um profissional de atitude. Não espere que uma vaga de emprego ou um cliente batam à sua porta. Vá atrás, envie currículos, distribua cartões de visita, atraia pessoas.

Com competência e dedicação, é possível colher bons frutos e conseguir um novo emprego.

Mesmo após a sua recolocação no mercado no trabalho, não esqueça as lições valiosas que aprender a lidar com a demissão te proporcionou durante o período em que esteve desempregado, pois se acontecer novamente, você já terá experiência e vai saber como encarar a situação da melhor forma possível, sem se desesperar.

Gostou das nossas dicas? Quer receber novidades sobre o Direito? Inscreva-se em nossa newsletter para receber nossos conteúdos na sua caixa de e-mail.

Sobre Moura e Santana

Moura e Santana

Prestamos serviços exclusivamente ao trabalhador e contamos com equipe dedicada a obter as melhores indenizações trabalhistas. Atuamos com ênfase na defesa dos direitos dos Bancários, Vigilantes, Caminhoneiros, Fretistas e trabalhadores em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *